_MG_0659-cases

Cases


Consultoria Estratégica

Desafios

A Consultoria Estratégica em Comunicação para o Tribunal de Justiça de Pernambuco apresentava um grande desafio para a Oficina da Palavra, pois era preciso desenvolver um modelo capaz de atingir o objetivo do cliente que era muito relacionado a problemas de funcionamento do Poder Judiciário, de gestão, e não relacionado diretamente à rotina de comunicação.

Além disso, foi necessário também desenvolver um método de observação de campo para complementar e melhor analisar alguns aspectos das pesquisas. Essa observação de campo incluía analisar, de forma discreta, diversos fatores relacionados à rotina de funcionamento das varas.

Para conseguir identificar a fundo os entraves do Poder Judiciário pernambucano por meio da comunicação, a Oficina da Palavra precisou coordenar a condução de três amplas pesquisas de campo, realizada por um instituto de pesquisa parceiro. As pesquisas possuíam questionários e métodos de abordagem distintos, e foram realizadas com juízes, servidores e cidadãos em todo o Estado de Pernambuco.

Esses estudos deram origem aos Diagnósticos de Imagem de Juízes, Servidores e Cidadãos a respeito do Poder Judiciário de Pernambuco. Além disso, a Oficina da Palavra também desenvolveu mais três diagnósticos de imagem a partir da consulta à imprensa e a agentes externos, que são órgãos ou instituições que lidam diretamente com o Judiciário pernambucano.

O cruzamento dos dados das três pesquisas de campo e das duas consultas realizadas com a imprensa e os agentes externos foi outro grande desafio para a Consultoria, devido à grande quantidade de informações e dados obtidos durante os mais de seis meses de pesquisas e entrevistas.

É importante salientar que a consultoria foi realizada de maneira bastante próxima à assessoria especial da presidência do TJPE e não contou diretamente com o apoio da Assessoria de Comunicação interna para o desenvolvimento do trabalho. No total, o projeto foi desenvolvido durante o período de quase 12 meses.

Solução

Para auxiliar o TJPE a atingir os seus objetivos, a Consultoria Estratégica em Comunicação da Oficina da Palavra desenvolveu os seguintes produtos para o cliente:

Plano de Comunicação para o período de 2012/2013.
Plano de Comunicação específico para a implantação do Processo Eletrônico (criação de logo e assinatura)
Diagnósticos de Comunicação realizados através de pesquisas com magistrados, servidores e corpo diretivo do TJPE; cidadãos; imprensa; e, agentes externos, tais como os seguintes órgãos/entidades de Pernambuco: Ministério Público, OAB, Secretaria de Defesa Social e Polícia Civil.
Livro com o Diagnóstico de Imagem do Poder Judiciário de Pernambuco distribuído aos juízes e desembargadores do Estado para que eles pudessem ter o retrato da situação do Judiciário Pernambucano perante de acordo com os públicos pesquisados.

Cenário

Entre 2009 e 2010, o Tribunal de Justiça de Pernambuco configurava-se como uma das mais morosas do Brasil. O volume de congestionamento de processo era um dos mais altos, segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que divulga, anualmente, o desempenho da Justiça brasileira de acordo com diversos fatores de análise.

Diante desses resultados, o TJPE buscou identificar os problemas que prejudicam o funcionamento do Poder Judiciário pernambucano. Em 2010, realiza o planejamento estratégico e, em 2011, contrata a Oficina da Palavra para realizar um amplo diagnóstico de imagem, identificando não somente os problemas de comunicação, mas também as principais barreiras de gestão do Judiciário. Com base no planejamento estratégico e nos diagnósticos obtidos, a Oficina da Palavra aponta soluções por meio de um amplo planejamento de Comunicação, com ações previstas para o período de 2012 e 2013.

Objetivo

“Apresentar soluções, por meio de plano de comunicação, para os aspectos que influenciam o funcionamento do Judiciário do Estado de Pernambuco e impactam negativamente a imagem do sistema.”

Públicos-envolvidos

Sociedade
Agentes Externos:
Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Pernambuco (OAB-PE)

Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE)

Secretaria de Defesa Social (SDS)/Polícias

Defensoria Pública de Pernambuco

Cartórios extrajudiciais;

ONGs e representantes da sociedade civil

Ministério Público da União

Defensoria Pública da União

Supremo Tribunal Federal (STF)

Superior Tribunal da Justiça e demais órgãos judiciários (do Trabalho, Eleitoral, Militar),

Poderes Legislativo e Executivo Federal e Estadual

Procuradoria Geral da República

Universidades e centros de estudos/ensinos.

Imprensa;
Magistrado;
Servidores e terceirizados.

Planejamento/estratégias

Definição dos objetivos de comunicação com base nos diagnósticos e no Planejamento Estratégico Decenal 2010/2019 do TJPE.
1. Reposicionar a imagem do TJPE diante de seus stakeholders;

2. Integrar os públicos-alvo (interna e externamente);

3. Firmar o TJPE como pioneiro na implantação do modelo de processo eletrônico proposto pelo CNJ.

Definição de estratégias com base nos diagnósticos e no Planejamento Estratégico Decenal 2010/2019 do TJPE.
1. Conquistar a adesão do público interno na implantação do Plano Estratégico Decenal e do Plano de Comunicação.

2. Apoiar ações para agilizar o andamento dos processos e diminuir o coeficiente de morosidade.

3. Promover ações de integração entre os públicos-alvo e conscientização do papel e das dificuldades do TJPE

4. Definir e comunicar métodos de gestão de recursos humanos e materiais

5. Consolidar metodologia de atuação em assessoria de imprensa

6. Reavaliar veículos institucionais

7. Promover ações anticorrupção

8. Inserir o público interno na implantação do processo eletrônico

9. Comunicar ao público externo as consequências e os benefícios da implantação do processo eletrônico

Pesquisas realizadas/metodologia de avaliação

Para a realização do trabalho, era fundamental a pesquisa com os diversos públicos envolvidos. Foi necessário identificar os problemas do Judiciário pernambucano através das impressões e informações fornecidas por esses públicos.

A In Press Oficina realizou pesquisas de campo em Recife e outras 30 cidades do Estado. Foram ouvidos:

- 278 cidadãos

- 300 servidores e terceirizados

- 141 juízes

Além disso, foram realizadas sondagens com:

- O corpo diretivo da instituição. Foram ouvidos o presidente, o vice-presidente e o corregedor do TJPE.

- A imprensa: 7 jornalistas de 5 veículos pernambucanos.

- E os agentes externos. Foram ouvidos 6 representantes do Ministério Público de Pernambuco; 2 representantes da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Pernambuco, 1 da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco e 1 da Polícia Civil de Pernambuco.